Notícias

Esfaqueador de Bolsonaro arrola Maria do Rosário, Jean Wyllys e Lula como testemunhas

Lula, Maria do Rosário, Jean Wyllys e Preta Gil são arroladas como testemunhas arroladas de Adelio Bispo, o homem que esfaqueou Bolsonaro.

PUBLICIDADE

A tese principal da defesa de Adélio Bispo, o homem que esfaqueou Bolsonaro, é de que el é “louco” ou “débil mental”, pra não dizer retardado, pelo menos é o que os advogados do acusado tentam demonstrar na Justiça. A preparação de Adélio para um eventual julgamento popular no Tribunal Popular do Júri já está em pleno andamento.

Lula, Maria do Rosário, Jean Wyllys e Preta Gil são arroladas como testemunhas arroladas de Adelio

Para isso, o advogado de Adélio, Zanone Manuel de Oliveira Júnior, revelou quais foram às pessoas arroladas como testemunhas,  para participar do possível julgamento, a fim de obter depoimentos favoráveis ao criminoso.

Entre elas, o deputado federal Jean Wyllys, a cantora Preta Gil e a deputada Maria do Rosário e pasmem, o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva.

Zanone explica porque arrolou essas quatro figuras

Segundo explicou o advogado, é por elas serem consideradas, por ele, desafetos do presidente eleito Jair Bolsonaro. Lembrando que Zanone já advogou para integrantes do PCC.

Quem paga os advogados de defesa de Adélio Bispo

O advogado não dá maiores explicações sobre quem estaria pagando os seus honorários, não convincente, alega que não revela para ‘preservar o sigilo profissional e a integridade física do contratante‘, que, segundo a defesa do assassino, ‘corre risco de morte’.

Advogado revela a PF como foi contratado para defender esfaqueador de Bolsonaro

Zanone Manuel de Oliveira disse à Polícia Federal que a pessoa que o contratou para defender Adélio Bispo, pagou apenas R$ 5 mil, parte dos honorários, depois desapareceu.

O criminalista, que coordena a defesa de Adélio Bispo, afirmou à Polícia Federal, que, logo após o atentado praticado contra Jair Bolsonaro, ele foi procurado por um qdesconhecidoq para defende o acusado no caso: “Aquela pessoa se apresentou como conhecido de Adélio Bispo da cidade de Montes Claros, esclarecendo que conheceu o autor do fato criminoso em relacionamentos vividos no meio religioso naquela cidade”, disse o advogado, que ainda diz lembrar, que o contratante, revelou ter conhecido Bispo numa “evangelização na cidade de Salinas, Minas Gerais”

Font da informação: Jornal da cidade online